Conecte-se conosco

Notícias

Consumo das classes C e D no Amazonas caiu 8,1% em fevereiro, mostra pesquisa Superdigital

Houve alta nos setores Automóveis e Veículos (70%), Prestadores de Serviços (11%), Combustível (8%), Telecomunicação (7%) e Rede Online (6%).

Comércio ganha movimento com o 13o. salário. (Foto: Isaias Fernandes)

O consumo no Amazonas apresentou queda de 8,1% em fevereiro deste ano, na comparação com janeiro. As quedas foram observadas nos setores de Lojas de Roupas (-12%), Serviços (-11%), Hotéis e Motéis (-10%), Drogaria/Farmácia (-10%), Companhias Aéreas (-9%), Restaurante (-8%) e Lojas de Artigos Diversos (-7%). Os destaques de alta foram nos setores Automóveis e Veículos (70%), Prestadores de Serviços (11%), Combustível (8%), Telecomunicação (7%) e Rede Online (6%).

Os dados são da Pesquisa de Hábitos de Consumo da Superdigital, fintech do Grupo Santander focada em inclusão econômica. O levantamento é realizado mensalmente e busca traçar o perfil do consumidor das classes C e D do Brasil, cujo consumo recuou 3% em fevereiro ante janeiro deste ano.

Na pesquisa, todas as regiões do Brasil mostraram queda no consumo, com o Norte impactando mais no resultado (-12%). Nas demais regiões, o Centro-Oeste fechou com redução de 9,3% no consumo, seguido do Sul, com 5,8% de queda, Nordeste, com retração de 5,5% e Sudeste, que viu seu consumo recuar 2%.

Luciana Godoy, CEO da Superdigital Brasil, afirma que o consumo foi impactado por ajustes que as famílias estão fazendo em seus orçamentos no início do ano. “As classes C e D sentem mais os efeitos das grandes contas do início do ano, como IPTU, IPVA, material escolar e pagamento de compras parceladas feitas para as festas. Além disso, com o aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis, o orçamento mensal fica sobrecarregado”, afirma a executiva.

Os setores que mostraram quedas mais significativa no consumo foram Diversão e Entretenimento (-15%), Drogaria e Farmácia (-9%,) Hotéis e Motéis (-8%), Rede Online (-6%), Serviços (-3%) e Supermercado (-3%). Já o setor que se destacou com uma alta relevante no consumo foi o de Companhias Aéreas, que subiu 16%. Lojas de Roupas, Automóveis e Veículos e Telecomunicações também cresceram, 1% cada. “Não podemos esquecer que registramos um consumo bastante relevante dessa fatia da população em dezembro de 2021 e é natural que agora ocorra um ajuste de orçamento”, completa Luciana.

O levantamento mostrou também que o principal gasto no orçamento continua sendo com Supermercado (37%), seguido de Restaurantes (13%), Lojas de Artigos Diversos (11%) e Combustível (7%).
Outro dado da pesquisa mostrou que 87% dos gastos totais foram feitos presencialmente, o que representa um ponto percentual a mais se comparado a janeiro.

Em relação ao ticket médio, houve queda significativa nos setores de Diversão e Entretenimento (-9%), Hotéis e Motéis (-8%), Rede Online (-6%), Drogaria e Farmácia (-4%), Restaurante (-3%) e Serviços (-3%). Contudo, subiu o ticket médio gasto com Companhias Aéreas (9%) e Telecomunicações (2%).

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco × três =