Conecte-se conosco

Mundo

EUA suspendem envio de bombas para Israel após alerta de operação em Rafah, diz autoridade americana

Líderes israelenses alertaram durante semanas que uma invasão da cidade de Rafah, no sul de Gaza, ocorrerá em algum momento no futuro.

eua-interrompem-envio-de-bomba

Fumaça sobre Gaza. (Foto:Reprodução)

Os Estados Unidos suspenderam o envio de bombas para Israel em meio a preocupações sobre seu potencial uso em uma incursão em Rafah, segundo uma autoridade norte-americana.

A remessa, que foi retida na semana passada, inclui 1.800 bombas pesando 2.000 libras e 1.700 bombas pesando 500 libras.

“Estamos especialmente focados no uso final das bombas de 2.000 libras e no impacto que elas poderiam ter em ambientes urbanos densos, como vimos em outras partes de Gaza”, disse o funcionário.

A CNN informou no fim de semana que um carregamento de munição para Israel foi interrompido, mas o motivo não estava claro.

Os líderes israelenses alertaram durante semanas que uma invasão da cidade de Rafah, no sul de Gaza, ocorrerá em algum momento no futuro, mesmo quando os EUA e outros declararam publicamente que tal operação terrestre não deveria ocorrer.

A administração do presidente Joe Biden apelou a um plano abrangente para proteger mais de um milhão de civis abrigados em Rafah e evitar uma expansão da catástrofe humanitária que se desenrola no enclave costeiro.

Na segunda-feira (6), Israel realizou o que os EUA descreveram como uma operação “limitada” em Rafah, assumindo a passagem da fronteira com o Egito, que é um local importante para a ajuda humanitária.

“Esta parece ser uma operação limitada, mas é claro que muito disso depende do que vem a seguir”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matt Miller, nesta terça-feira (7).

“Eles disseram, creio eu com bastante clareza, que não é segredo que querem conduzir uma grande operação militar ali. Deixamos claro que nos opomos a tal operação.”

Os EUA e Israel têm mantido comunicações regulares sobre os planos dos militares israelitas para conduzir uma grande operação terrestre na parte sul de Gaza, mas a administração deixou claro que os planos estão longe de estar prontos.

“Vimos alguns conceitos, mas nada detalhado neste momento”, disse o secretário de imprensa do Pentágono, major-general Pat Ryder, em uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

Ainda assim, o Primeiro-Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou repetidamente que uma operação terrestre em Rafah é necessária para manter a pressão sobre o Hamas para libertar os restantes reféns e alcançar a vitória.

À medida que a liderança de Israel se aproximava de uma decisão final, os EUA começaram a rever propostas de transferências de armas específicas para Israel que poderiam ser usadas em Rafah, disse o funcionário dos EUA.

O processo de realização da revisão começou em abril e levou à pausa nos envios dos dois tipos de bombas.

“Não tomamos uma decisão final sobre como proceder com este envio”, disse o funcionário.

Entre as maiores armas convencionais do arsenal dos EUA, as bombas de 2.000 libras podem ter um impacto devastador, especialmente numa área densamente povoada como Gaza.

As munições pesadas deixam uma enorme cratera e podem enviar estilhaços mortais a centenas de metros do local do impacto. Uma análise da CNN de imagens de satélite no início da guerra encontrou mais de 500 crateras de impacto consistentes com o uso de uma bomba de uma tonelada.

Marc Garlasco, antigo analista de inteligência de defesa dos EUA e antigo investigador de crimes de guerra da ONU, disse em Dezembro que a densidade do primeiro mês de bombardeamentos de Israel em Gaza “não era vista desde o Vietname”.

Os EUA também estão analisando a potencial venda ou transferência de outras munições, incluindo kits de Munições Conjuntas de Ataque Direto (JDAM) para Israel, disse o funcionário. Mas estas transferências não são iminentes e ocorrerão no futuro, acrescentou o responsável.

O Pentágono não quis comentar quando questionado sobre as pausas nos envios, mas insistiu que nada disto altera o compromisso dos EUA com a defesa de Israel.

“Nosso compromisso com a segurança de Israel permanece firme”, disse a vice-secretária de imprensa do Pentágono, Sabrina Singh, em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira.

“Vocês têm visto isso desde 7 de outubro. Vocês nos viram aumentar a assistência de segurança a Israel. Portanto, embora não vá comentar mais nada, posso dizer-vos que os nossos compromissos com a segurança de Israel permanecem os mesmos.”

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 11 =