Conecte-se conosco

Brasil

Na OMS, Queiroga pede doação de vacinas anti covid a países com doses extras

Durante a conferência, o ministro da saúde afirmou que o governo brasileiro busca conciliar a adoção de medidas sanitárias com a necessidade de assegurar empregos e renda.

O ministro pediu doação de vacinas “o mais rápido possível”. (Foto: Fábio Pozzebom/Agência Brasil)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pediu nesta 6ª feira, 30/04, aos países com doses extras de vacinas contra a covid-19 que as doem para o Brasil o mais rápido possível. Deu a declaração em conferência virtual da OMS (Organização Mundial da Saúde) focada no Brasil e nas Américas.

“Reiteramos nosso apelo àqueles que possuem doses extras de vacinas para que possam compartilhar com o Brasil o quanto antes possível, de modo a nos permitir lograr avanços em nossa ampla campanha de vacinação, de modo a conter a fase crítica da pandemia e evitar a proliferação de novas linhagens e variantes do vírus”, disse o chefe da pasta.

Queiroga afirmou que o governo brasileiro busca conciliar a adoção de medidas sanitárias com a necessidade de assegurar empregos e renda.

“Busquei orientar a população brasileira de maneira clara e objetiva sobre as medidas não farmacológicas cientificamente comprovadas a serem seguidas, como o uso de máscara, a constante higienização das mãos e o respeito ao distanciamento social”.

Disse ainda que se comprometeu com a aceleração da vacinação no país. Segundo ele, o sistema de saúde tem capacidade de vacinar 2,4 milhões de brasileiros por dia.

OMS: “Brasil duramente atingido”

O anfitrião do encontro virtual e diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom, comentou sobre a situação brasileira durante a pandemia.

“O Brasil é um dos países duramente antigidos pela covid-19. Desde o começo de novembro, tem passado por um aumento de casos, hospitalizações e óbitos, incluindo mais jovens”, disse. Completou: “Os casos têm baixado nas ultimas 4 semanas, e as internações e os óbitos também estão caindo. Isso é uma boa noticia e esperamos que essa tendencia continue”.

Tedros disse, porém, que a pandemia de covid ensinou que nenhum país pode baixar a guarda. “O Brasil tem uma longa tradição na saúde pública, com muitas décadas de investimento nos cuidados primários. Mas a pandemia atingiu o sistema de saúde”, declarou.

Com informações do Poder 360.

© 2019-2021 - 18 Horas - Todos os direitos reservados.
Rede de Rádio Difusão Novidade Técnica LTDA
34.503.722/0001-80