Conecte-se conosco

Brasil

Maioria no Supremo vota a favor de tese que pode anular sentenças da Lava Jato

Para 6 ministros, réus delatados devem se manifestar por último na fase final do processo. Julgamento foi suspenso e será retomado na quarta-feira, dia 2 de outubro.

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria pela anulação de sentenças em casos da Operação Lava Jato. Seis magistrados votaram nesse sentido: Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello. Outros três votaram contra anular as condenações.

A Corte julga se réus delatores devem apresentar suas últimas alegações no processo penal antes dos outros réus acusados por eles e se os processos que não seguiram esse procedimento devem ter suas condenações anuladas. Um dos casos que podem ser afetados envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Quem votou contra anulação de sentenças da Lava Jato:

Edson Fachin
Luís Roberto Barroso
Luiz Fux

Quem votou pela anulação de sentenças da Lava Jato:

Alexandre de Moraes
Rosa Weber
Cármen Lúcia
Ricardo Lewandowski
Gilmar Mendes
Celso de Mello
Marco Aurélio Mello (ausente da sessão)
Dias Toffoli

A decisão do Supremo terá efeito imediato apenas no caso de Ferreira, mas servirá de parâmetro para julgar processos semelhantes.

A ministra Cármen Lúcia rejeitou o recurso do réu na Lava Jato, afirmando que ele teve a oportunidade de contestar o delator antes da sentença e não o fez, mas apoiou a corrente que defende a anulação de condenações em casos semelhantes.

Já o ministro Luiz Fux afirmou que na fase de alegações finais os acusados já têm amplo conhecimento do processo e não é necessário o prazo diferenciado para a manifestação de delatores.

“As alegações finais não representam um meio de prova nenhuma. Quando um processo chega à fase de alegações finais, delator e delatado já tem conhecimento de tudo que se passou”, disse o ministro.

Já a ministra Rosa Weber defendeu que conceder o mesmo prazo para as últimas manifestações processuais imlica em prejuízo ao direito de defesa dos réus que foram delatados e, por isso, eventuais condenações devem ser anuladas. “O prejuízo emerge do descumprimento do devido processo legal”, disse a ministra.

O ministro Alexandre de Moraes também defendeu o direito de réus que foram acusados por delatores de apresentarem alegações finais por último. Segundo o ministro, isso garante o direito à defesa de contestar todos os pontos da acusação.

Luís Roberto Barroso seguiu a interpretação do relator do caso, Edson Fachin, e decidiu contra o recurso do réu na Lava Jato. Para o ministro, o prazo comum para alegações finais entre delatores e outros réus não prejudica o direito de defesa.

Na opinião de Barroso, a revisão de condenações da Lava Jato teria um forte impacto no combate à corrupção no combate à corrupção no Brasil.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 + dezesseis =