Conecte-se conosco

Amazonas

Nível do rio Negro em Manaus está 1,84 m abaixo do mesmo período do ano passado, quando houve a maior vazante

O rio Amazonas mantém o processo de enchente, mas os níveis registrados nas estações monitoradas como é o caso de Itacoatiara, Careiro da Várzea (AM) e Òbidos (PA)estão abaixo da faixa da normalidade para o período.

Manaus, AM, Brasil: Porto do Ceasa, no Rio Negro, em Manaus. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O nível do rio Negro, em Manaus, na última segunda-feira (13/05) atingiu 25,77 metros (m), 1,84 m abaixo da marca de 27,61 m na mesma data de 2023, ano da maior vazante já registrada, quando chegou a 12,70 m, no diz 13 de junho, de acordo com a medição do Porto de Manaus.

De acordo com o 19º Boletim Hidrológico da Bacia do Amazonas, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), na semana passada, o Negro manteve as subidas regulares em São Gabriel da Cachoeira, Tapuruquara (Novo Airão) e Barcelos. Em Manaus, segue em processo de enchente, totalizando uma elevação semanal de 20 cm e “registrando níveis no intervalo da normalidade para a época”.

De acordo com o CPRM, ao longo da última semana, o rio Branco, um dos maiores afluentes do Negro, manteve o processo de subida, voltando a apresentar níveis no intervalo da normalidade. Em Boa Vista, o rio registrou elevações médias na ordem de 24 centímetros (cm) ao dia. Em Caracaraí, o Branco também está subindo, uma média diária de 21 cm.

O Boletim diz que em Tabatinga, o rio Solimões desceu 15 cm ao longo da semana, mas voltou a subir no registro mais recente, todavia os níveis são considerados baixos para a época. Na estação de Fonte Boa, o rio apresentou oscilações durante a semana e em Itapéua continua apontando pequenas subidas diárias e no posto de Manacapuru manteve as elevações médias na ordem de 3 cm.

Na Bacia do rio Purus, nos últimos dias, o rio Acre em Rio Branco apresentou descidas diárias maiores na ordem de 35 cm e os níveis são considerados baixos para o período. Em Beruri, o rio Purus continua subindo, uma média diária de 3 cm.

O rio Madeira apresentou descidas, mas voltou a subir nos registros mais recentes. Em Humaitá, o Madeira indica o mesmo comportamento, registrando certa recuperação de nível no último registro. As estações monitoradas desta calha apresentam cotas abaixo da faixa da normalidade para a época.

O rio Amazonas mantém o processo de enchente, com subidas diárias regulares, mas os níveis registrados nas estações monitoradas como é o caso de Itacoatiara, Careiro da Várzea (AM) e Òbidos (PA)estão abaixo da faixa da normalidade para o período.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + cinco =