Conecte-se conosco

Amazonas

Estudo do Instituto Fiscal Independente revela déficit da Previdência no Amazonas

De acordo com o estudo, o resultado previdenciário dos estados está piorando desde 2009 e, se seguir no mesmo ritmo, o número de servidores inativos deve superar o de ativos dentro de alguns anos.

O déficit da Previdência do Amazonas é de 5,4% da Receita Corrente Líquida (RCL) e o Estado está entre as 23 unidades da Federação com despesas previdenciárias que superam as receitas. As informações estão no estudo “A Situação das Previdências Estaduais”, do Instituto Fiscal Independente (IFI), vinculado ao Senado Federal e publicado pelo G1. O Amazonas arrecada 7,7% e gasta 13% de sua RCL com a sua Previdência.

De acordo com o estudo, o resultado previdenciário dos estados está piorando desde 2009 e, se seguir no mesmo ritmo, o número de servidores inativos deve superar o de ativos dentro de alguns anos, até se estabilizar em 152% do número de ativos na década de 2060. O relatório reúne dados de diversos outros estudos para analisar a situação da Previdência Social nas 27 unidades da federação de 2006 a 2017.

Os números do estudo do IFI mostram que o déficit previdenciário dos estados cresceu significativamente de 2009 a 2015, passando de R$ 47,92 bilhões em 2008 para R$ 77,39 bilhões, em 2015, uma alta de 50,7% em valores corrigidos a preços de 2017. Esse aumento ocorreu principalmente por conta de dois fatores:

Mais aposentadorias: o número de servidores estaduais inativos cresceu 37,9% no período 2006 a 2015, enquanto o número de ativos caiu 3,4%.

Benefícios mais altos: o valor do benefício médio pago aos inativos cresceu 32,7% em termos reais no período, fruto, em grande medida, do aumento de 50,8% do valor da remuneração média dos servidores ativos.

Veja o quadro:

 

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezenove + 7 =