Conecte-se conosco

Amazonas

Concentrada em Manaus, produção de eletroeletrônicos cresceu em 2019, diz pesquisa do IBGE

Crescimento da produção de eletroeletrônicos em Manaus ocorreu na contramão da indústria nacional, que recuou 1,1% em 2019, após dois anos de alta.

Com grande concentração no Polo Industrial de Manaus (PIM), a produção de eletrodomésticos da ‘linha marrom’ cresceu 21,7% no índice mensal de dezembro, por conta da maior produção de televisores. A ‘linha marrom’é a de aparelhos eletrônicos de uso doméstico, para informação e entretenimento, como TVs e equipamentos de áudio e vídeo. No índice acumulado para janeiro-dezembro de 2019, frente a igual período do ano anterior, o setor, a fabricação de eletrodomésticos da ‘linha branca’ cresceu 10,7%. As informações são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF), divulgada hoje (4) pelo IBGE.

Também com grande concentração no PIM, a produção mensal de motocicletas cresceu 4,1% e a de outros eletrodomésticos, 25,3%, em dezembro. Houve redução de 2% na produção de de eletrodomésticos da ‘linha branca: geladeira, fogão, microondas e freezer.

Os números desses setores do PIM vão na direção contrária do restante da indústria nacional. Em dezembro de 2019, a produção industrial nacional recuou 0,7% frente ao mês anterior (série com ajuste sazonal), segunda taxa negativa seguida e acumulando nesse período recuo de 2,4%.
Em relação a dezembro de 2018 (série sem ajuste sazonal), a indústria caiu 1,2%, após também assinalar perda no mês anterior (-1,8%). Com esses resultados, o setor industrial recuou tanto no fechamento do quarto trimestre de 2019 (-0,6%), como no acumulado do segundo semestre do ano (-0,9%), contra iguais períodos do ano anterior.

“Tiveram grande peso nesses resultados negativos os efeitos na indústria extrativa, em decorrência do rompimento da barragem de Brumadinho no início de 2019”, explica em nota o gerente da pesquisa, André Macedo.

Ele apontou, no entanto, que a produção industrial também pode estar sendo impactada “pelas incertezas no ambiente externo e também pela situação do mercado de trabalho no país que, embora tenha tido melhora, ainda afeta a demanda doméstica”.

Em 6 anos, a indústria amarga uma perda de 14,8%, segundo o pesquisador. Nos três anos de crise, de 2014 a 2016, o setor acumulou 17,7% de perdas. Recuperou 2,5% em 2017 e 1% em 2018, voltando a perder 1,1% em 2019.

Veja aqui os números do IBGE:

 

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1 × dois =