Conecte-se conosco

Amazonas

AM: governo informa ao TCE que vai cumprir Lei de Amazonino contra corrupção

estado também deve apresentar aos conselheiros a proposta de licitação e as tratativas que estão sendo feitas para contratação de uma nova empresa para gestão das unidades prisionais do Estado em substituição a Umanizzare.

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Ari Moutinho Júnior, relator das contas gerais do Governo do Amazonas, informou, nesta terça-feira (09/07), que a Controladoria Geral do Estado (CGE) e a Comissão Geral de Licitação (CGL) informaram que se comprometeram em apresentar, na próxima segunda-feira (15/07), às 10h, um plano de implantação para o cumprimento da Lei nº 4730/2018 (Lei de Compliance e de combate à corrupção) editada pelo ex-governador Amazonino Mendes .

Segundo o conselheiro, a CGE e a CGL também devem apresentar aos conselheiros a proposta de licitação e as tratativas que estão sendo feitas para contratação de uma nova empresa para gestão das unidades prisionais do Estado em substituição a Umanizzare Gestão Prisional.

A apresentação dos dados foi acordada durante reunião, nesta terça-feira, na sede do TCE, entre os conselheiros Ari Moutinho Júnior e Érico Desterro e o presidente da CGL, Walter Siqueira Brito; o controlador-geral do Estado, Alessandro Moreira Silva; e a ex-secretária de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU) no Amazonas, Lúcia Magalhães, hoje servidora do CGE.

“Eles se comprometeram em trazer toda a proposta de licitação e as tratativas que estão sendo feitas para suprir a lacuna com a saída da Umanizzare com o processo licitatório”, disse Ari Moutinho Júnior.

Notificação

No início de junho, o TCE notificou o governo e a CGL a implantar a lei contra a corrupção, enviada pelo então governador Amazonino Mendes e aprovada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE), no ano passado. A norma institui um Programa de Integridade nas empresas que contratarem com a Administração Pública e protege a administração estadual de atos lesivos, que resultem em prejuízos financeiros causados por irregularidades, desvios de ética e de conduta e fraudes contratuais.

A prevê, ainda, multas diárias às empresas contratadas e ainda o impedimento futuro de contratação delas pelo Estado.

Na última semana, sem resposta sobre suas notificações, o TCE, via Diretoria de Controle Externo de Licitações e Contratos (Dilcon), informou que passaria a cobrar o cumprimento da Lei do Compliance nos editais de licitação do Estado sob pena de suspensão dos processos licitatórios ainda na fase inicial pelos relatores das contas das secretarias.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três + seis =