Conecte-se conosco

Mundo

Protestos contra aquecimento global levam milhares de estudantes às ruas em todo o mundo

“Este é apenas o começo. A mudança está chegando, gostem ou não”, afirmou Greta Thunberg, indicada ao Prêmio Nobel da Paz.

Students hold up signs during the Global Climate Strike march at Foley Square in New York on September 20, 2019. – Crowds of children skipped school to join a global strike against climate change, heeding the rallying cry of teen activist Greta Thunberg and demanding adults act to stop environmental disaster. It was expected to be the biggest protest ever against the threat posed to the planet by climate change. (Photo by TIMOTHY A. CLARY / AFP)

Milhões de pessoas em todo o mundo realizaram uma greve climática global nesta sexta-feira (20), inspirada pela ativista Greta Thunberg. Manifestantes em todos os continentes agitavam cartazes e entoavam slogans no que poderia ser a maior demonstração de todos os tempos sobre o aquecimento global causado por humanos.

“Nossa casa está pegando fogo”, disse Thunberg em um comício em Nova York. “Nós não vamos ficar de lado e assistir”.

O dia começou no Pacífico e na Ásia e culminou em uma demonstração maciça em Nova York. Ela vem antes da cúpula da ONU na próxima semana, na sede da organização em Manhattan. Ativistas estão exigindo maiores esforços na reunião para combater as mudanças climáticas.

Thunberg começou a deixar a escola para protestar contra a inação contra as mudanças climáticas em 2018. Suas ações inspiraram crianças em idade escolar e adultos em todo o mundo a começar a luta.

Na Austrália, acredita-se que 350.000 pessoas tenham participado de protestos em todo o país, com algumas autoridades locais incentivando as crianças em idade escolar e os trabalhadores a participarem. O país já está sofrendo com as altas temperaturas, e o aquecimento do mar contribuiu para a morte de metade da Grande Barreira de Corais, na costa nordeste da Austrália.

A partir daí, as manifestações se espalharam pelas cidades da Ásia, Europa, África e Américas. Estudantes em Gana marcharam na capital Accra, dizendo que as mudanças climáticas aceleraram a erosão costeira que está afetando as pessoas na costa do país. Cerca de 44% da população de Gana não ouviu falar em mudanças climáticas, sugere um estudo do Afrobarometer.

As pessoas na Tailândia e na Índia encenaram “mortes”, caindo no chão e fingindo morte para exigir maior ação governamental.

Como protestos ocorreram em 500 vilas e cidades em toda a Alemanha, o governo de coalizão do país anunciou um pacote de 54 bilhões de euros (48 bilhões de dólares) destinado a reduzir os gases do efeito estufa.E no Reino Unido, acredita-se que centenas de milhares tenham participado também.

Outras greves climáticas são esperadas na próxima semana durante a cúpula da ONU.

Sobre Greta Thunberg

A ativista adolescente foi recebida como uma estrela do rock no comício na sexta-feira, com gritos de “Greta! Greta!” retumbante em torno do Battery Park de Nova York.

“Esta é a maior greve climática da história, e todos devemos ter orgulho de nós mesmos porque fizemos isso juntos”, disse o adolescente a manifestantes no Battery Park, em Nova York.
Thunberg disse que cerca de quatro milhões de pessoas participaram da greve ao redor do mundo “, e ainda estamos contando”.

“Isso é uma emergência. Nossa casa está pegando fogo. E não é apenas a casa dos jovens, todos moramos aqui – isso afeta todos nós”, disse ela à multidão.

“Os olhos do mundo estarão nos líderes da ONU na próxima semana. Eles têm a chance de assumir a liderança para provar que realmente nos ouvem”. declarou. “É assim que o poder das pessoas se parece”, disse ela, antes de terminar o discurso com uma palavra para aqueles “que se sentem ameaçados por nós”.

“Este é apenas o começo”, disse ela. “A mudança está chegando, gostem ou não.”

A adolescente sueca Greta Thunberg organizou pela primeira vez uma “Greve Escolar pelo Clima” fora de seu parlamento nacional em agosto do ano passado. Suas ações inspiraram outras crianças em idade escolar e adultos em todo o mundo, e ela foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz.

Antes de seu discurso na ONU na próxima semana, Thunberg disse aos políticos dos EUA que eles devem fazer mais para combater as mudanças climáticas. “Não nos convide aqui para nos dizer como somos inspiradores sem realmente fazer nada a respeito”, disse ela.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

14 − doze =