Conecte-se conosco

Mundo

Chile e Bolívia fecham fronteira contra variante do coronavírus encontrada no Brasil

A medida vale pelos próximos sete dias na Bolívia, enquanto no Chile o fechamento se dará por todo o mês de abril

O presidente da Bolívia, Luis Arce, anunciou hoje o fechamento da fronteira do país andino com o Brasil por sete dias para evitar o alastramento de variantes da covid-19, como a P.1, detectada inicialmente no Japão em pessoas que haviam passado por Manaus.

O anúncio foi feito por meio do perfil de Arce no Twitter, que complementou dizendo que, “nos municípios fronteiriços onde tenha sido verificada a circulação de variantes da covid-19”, os governos locais serão os responsáveis por realizar o isolamento dos territórios.

O ministro da Saúde da Bolívia, Jeyson Auza, esclareceu que o fechamento da fronteira com o Brasil, que tem 3,4 mil km, entrará em vigor amanhã. O governo não disse se medidas específicas serão aplicadas para as viagens aéreas. Até agora, cada pessoa que entra na Bolívia deve apresentar um resultado negativo de teste para a covid-19.

A Bolívia possui fronteira com quatro estados brasileiros: Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Já do lado boliviano, os departamentos de Santa Cruz, Beni e Pando fazem fronteira com o Brasil. Segundo a agência de notícias estatal ABI (Agência Boliviana de Informação), os governos dos municípios bolivianos fronteiriços ainda poderão abrir os limites da fronteira com o Brasil por até três horas por dia, de modo a permitir as atividades comerciais entre os dois países.

Depois da Bolívia, o Chile anunciou que também fechará suas fronteiras durante todo mês de abril diante do aumento dos casos de coronavírus no país, em paralelo ao avanço da campanha de vacinação —informou a subsecretária de Prevenção de Delito, Katherine Martorell, em uma nota. A medida, que entra em vigor na próxima segunda-feira (5), foi anunciada ao mesmo tempo em que o Chile registrava o maior o número diário de contágios pelo novo coronavírus em toda pandemia: 7.830 casos e 193 mortos.

Leia mais no UOL.

 

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *