Conecte-se conosco

Brasil

MP-TCU pede investigação sobre anúncios pagos do BNDES e Banco do Nordeste em canais de bolsonaristas

O procurador Lucas Furtado solicitou a suspensão das propagandas dos bancos públicos que veicularam mais de 1 milhão de anúncios nos canais no YouTube de blogueiros apoiadores de Jair Bolsonaro.

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MP-TCU) pediu a abertura de uma investigação sobre veiculação de anúncios pagos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) em canais no YouTube ligados a blogueiros bolsonaristas e deputados investigados em inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). As informações são do jornal O Globo.

O caso foi revelado por reportagem do O Globo publicada no sábado. No pedido, o procurador Lucas Furtado pede a suspensão das propagandas. A reportagem mostrou que BNDES e BNB veicularam mais de 1 milhão de anúncios em canais ligados a blogueiros bolsonaristas como Allan dos Santos e Fernando Lisboa, ambos investigados pelo STF em inquéritos como o das fake news e o que apura a organização e o financiamento de atos antidemocráticos.

Os dados da reportagem foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Foi a primeira vez que bancos estatais divulgaram dados sobre o uso de mídia programática, sistema automatizado de pagamento por anúncios na internet.

No pedido, o procurador disse que a investigação é necessária, porque o caso revelado pelo O Globo era semelhante ao que já é apurado pelo TCU em relação ao Banco do Brasil. Em junho, o perfil Sleeping Giants Brasil revelou que o BB pagava por anúncios em sites que divulgavam notícias falsas. Depois disso, o TCU determinou a suspensão de parte das campanhas do banco na internet.

“A meu ver, portanto, cabe ao TCU empreender a mesma ação de controle que vem sendo desenvolvida em face do Banco do Brasil, tendo em vista se tratar do mesmo tipo de irregularidade que estaria sendo praticada no âmbito de outras duas instituições financeiras públicas: o BNDES e o BNB”, disse o procurador. Os pedidos feitos por Lucas Furtado ainda precisam ser apreciados pelos ministros do TCU.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *