Conecte-se conosco

Brasil

Ministro do STF diz ter preocupação da soberania da Amazônia ser perdida para o crime organizado

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal, as mortes do indigenista e do jornalista britânico refletem um cenário de medo para os povos indígenas da Amazônia.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, afirmou nesta quarta-feira (22), que está muito preocupado com a perda da soberania na Amazônia para o crime organizado.

Durante um evento da Escola da Magistratura do Estado no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22), sobre a liberdade de expressão e democracia na era digital, o ministro da Suprema Corte disse que recebeu lideranças indígenas da região nesta terça-feira (21) e que os relatos são de ataques contra a segurança desses povos na Amazônia.

“Os relatos são muito tristes. De abandono do Estado, de desmonte da Funai, falta de apoio institucional e de como as quadrilhas internacionais estão tomando conta da região. Eu me preocupo muito que a soberania da Amazônia esteja sendo perdida não para outros países, que já seria muito ruim, mas para o crime organizado, é ainda pior”, afirmou, Barroso.

Para o ministro, as mortes do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips refletem um cenário de medo para os povos indígenas da Amazônia.

Investigações

O Instituto de Criminalística da Polícia Federal (PF) em Brasília deve liberar até quinta-feira (23) os corpos do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips.

Os peritos ainda finalizarão os exames de balística para determinar a distância que os disparos foram efetuados. Além dos exames periciais, os depoimentos dos suspeitos têm ajudado a polícia a esclarecer como se deu a dinâmica do crime.

De acordo com fontes da PF, o terceiro suspeito preso, Jefferson Lima da Silva, relatou às autoridades que ele e o pescador Amarildo da Costa Oliveira foram responsáveis por atirar nas vítimas. Segundo ele, Pereira chegou a cumprimentar Amarildo minutos antes do assassinato. Pouco depois, o indigenista viu a lancha do suspeito e orientou o jornalista a fotografá-la – o que teria irritado pescador.

A perícia já identificou que Bruno foi atingido por três disparos e Dom por um. Após a identificação dos corpos, a polícia localizou também a embarcação em que viajava a dupla e que foi afundada pelos assassinos. Na sexta-feira (17) e sábado (18), os investigadores confirmaram que os restos mortais encontrados na floresta eram de Dom e Bruno.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 × 1 =