Conecte-se conosco

Brasil

Médicos especialistas recomendam fazer check-up após infecção por Covid-19

Especialistas alertam sobre os cuidados mesmo após a infecção do novo coronavírus

Acompanhamento médico é recomendado após o tratamento da doença

A cura da Covid-19 pode ser um processo que se estende para muito depois do final da fase aguda da infecção. Mesmo após o vírus deixar o organismo, podem permanecer sequelas espalhadas por órgãos como coração, pulmão e cérebro por meses até em pessoas que tiveram as formas mais leves da doença. As informações são da Folha de São Paulo.

Médicos de diferentes especialidades vêm sugerindo uma visita ao médico logo após o fim da infecção para checagem de sequelas e busca por tratamento, principalmente quando há sintomas persistentes ou antes de reiniciar uma atividade física.

Estudos no mundo todo vêm avaliando o cenário pós-Covid-19. As estimativas dos cientistas apontam que apenas uma porcentagem entre 10% e 20% dos pacientes relatam recuperação completa nos primeiros meses após a infecção. Cerca de metade das pessoas que tiveram Covid-19 dizem ainda sentir fadiga incomum nos meses posteriores. Sintomas como dor de cabeça, dores no peito, falhas na memória e perda do olfato (anosmia) também aparecem e podem até indicar uma condição crônica, segundo médicos.

“Todos os pacientes deveriam procurar um médico após a doença. Cada pessoa tem um ritmo de vida e hábitos diferentes; é importante saber se há alguma sequela antes de retomar a vida normal. Há pessoas que ficam com alguma inflamação que pode durar meses”, diz o cardiologista Marcelo Sampaio, da Beneficência Portuguesa de São Paulo (BP).

De acordo com Gustavo Faibischew Prado, pneumologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, a melhor opção é procurar um clínico geral ou um médico da família, profissionais que conseguem fazer uma avaliação global e encaminhar o paciente para as especialidades necessárias caso haja necessidade de avaliação complementar.

“Assim, o paciente recebe orientações sobre os cuidados que deve ter e sabe se precisará fazer algum exame para confirmar existência das sequelas e conhecer a extensão delas”, diz o médico.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois × cinco =