Conecte-se conosco

Brasil

Governo anuncia compra da vacina e Índia diz que priorizará necessidades locais

O Ministério da Saúde anunciou a compra, sem licitação, das vacinas Índia e da Rússia neste fim de semana

A vacinação no Brasil pode parar por conta das doses em escassez – Foto: Marcelo Camargo

O Ministério da Saúde dispensou o uso de licitação para compra das vacinas Covaxin, da Índia, e Sputnik V, da Rússia. O objetivo é dar mais agilidade ao processo de aquisição desses imunizantes.Entretanto, o Serum Institute of India, maior fabricante mundial de vacinas em volume, informou neste domingo (21/02), que vai priorizar as necessidades locais.

“Eu humildemente peço que sejam pacientes”, disse o diretor executivo da SII, Adar Poonawalla, em um tweet, acrescentando que a empresa “foi instruída a priorizar as enormes necessidades da Índia e, junto com isso, equilibrar as necessidades do resto do mundo.” .

De acordo com o Ministério da Saúde, a compra ainda depende da aprovação para uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No total, serão disponibilizadas para a população 10 milhões de doses da Sputnik V e 20 milhões da Covaxin, se o país indiano entregar as doses do imunizante.

O investimento previsto é de R$ 639,6 milhões na vacina russa e R$ 1,614 bilhão na vacina da Índia.

As entregas devem começar em março e deverão seguir o seguinte cronograma:

Sputtnik V

Março: 400 mil

Abril: 2 milhões

Maio: 7,6 milhões

Total: 10 milhões de doses

Covaxin

Março: 8 milhões

Abril: 8 milhões

Maio: 4 milhões

Total: 20 milhões de doses.