Conecte-se conosco

Brasil

Brasil se aproxima de 6 milhões de casos de Covid-19 e passa de 168 mil mortes

O País somou, nas últimas 24 horas, 35.686 casos e 644 óbitos pelo novo coronavírus; média móvel de mortes foi de 544, ficando pelo terceiro dia seguido acima de 500 vidas perdidas.

O Brasil registrou 35.686 novos casos de Covid-19 e está próximo de ultrapassar a marca de 6 milhões de pessoas infectadas. O País também confirmou mais 644 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas. Desde o princípio da pandemia, foram confirmados 5.983.089 casos e 168.141 vidas perdidas, segundo o consórcio de veículos de imprensa.

Já a média móvel de mortes, também verificada pelo boletim, foi de 544. É o terceiro dia seguido acima de 500, após semanas mais baixa. É um crescimento de 54% em relação a 14 dias atrás. A média móvel de casos ficou em 28.635, 77% acima do que há 14 dias. As informações são do jornal O Globo.

No estado do Rio, nesta quinta-feira, foram registradas 108 mortes e 2.118 novos casos do novo coronavírus, e a média móvel de óbitos, na comparação com 14 dias atrás, teve um aumento de 152%, o que indica tendência de aumento no contágio da doença —  pelo terceiro dia seguido — , por estar muito acima dos 15%. Ao todo, são 334.514 infectados e 21.806 vidas perdidas desde o início da pandemia, em março, em território fluminense.

Os dados são do consórcio formado por O Globo, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S.Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

As altas nas médias móveis podem ter sido influenciadas pelo represamento na divulgação dos dados por alguns estados, especialmente no número de mortes, que ocorreu entre os dias 6 e 10 de novembro.

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o “ruído” causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Treze estados estão com tendência de aumento nas mortes pela Covid-19: Amapá, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Quatro estão em estabilidade, além do Distrito Federal: Bahia, Ceará, Pará, Pernambuco.

O boletim do Ministério da Saúde desta quinta-feira informou 606 novas mortes causadas por Covid-19 nas últimas 24h, totalizando 168.061 óbitos. Foram notificados 35.918 novos casos de coronavírus, elevando para 5.981.767 o número de infectados no país.

Tragédia epidemiológica

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) pediu uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para tratar do “enfrentamento da 2ª onda da Covid-19”. A entidade afirma, em ofício, que uma nova escalada de casos pode levar a uma “tragédia epidemiológica de proporções piores” do que a primeira expansão da doença no Brasil. Os secretários querem R$ 3 bilhões em recursos e 20 milhões de testes rápidos, com a materialização de uma estratégia de testagem ampla da população.

“Qualquer expressão de negação do risco de uma nova expansão da doença em território nacional poderá levar a um cenário de tragédia epidemiológica de proporções piores aos vividos na primeira expansão de casos. As vidas perdidas até aqui para o coronavírus não podem ser ignoradas. A melhor resposta que o poder público pode dar, em nome do luto de milhares de famílias brasileiras, é uma ação à altura da situação gravíssima que temos”, afirma o presidente do Conass, Carlos Lula, no ofício em que pede a reunião com Pazuello.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 3 =

Need Help? Chat with us