Conecte-se conosco

Brasil

Barco é ‘sequestrado’ por bolivianos e gera tensão na fronteira em Rondônia

A retenção revoltou os empresários brasileiros das sete empresas que fazem o transporte entre os países pelo porto de Guajará-Mirim

barco-e-sequestrado-por-bolivi

Uma embarcação brasileira está retida desde a última sexta-feira (19) por donos de barcos bolivianos em Guayaramerin (Bolívia), e a travessia entre os dois países pelo rio Mamoré está paralisada. As informações são do UOL.

A ação é uma retaliação à apreensão, pela PF (Polícia Federal), de uma embarcação boliviana que supostamente cruzou o Mamoré com artigos contrabandeados na sexta-feira de manhã.

A retenção revoltou os empresários brasileiros das sete empresas que fazem o transporte entre os países pelo porto de Guajará-Mirim, e o clima é tenso em Guayaramerin. Policiais da Bolívia estão em grande número no porto.

Segundo o UOL com uma fonte que atua no porto de Guajará-Mirim, o lado boliviano só aceita liberar o barco brasileiro se sua embarcação detida pela PF também for solta. Além disso, houve tentativa de mais “sequestros” de barcos brasileiros.

O “sequestro”, como tratam os empresários brasileiros, ocorreu no fim da tarde de sexta, logo após o barco, de inscrição Aquaflex, partir do porto de Guajará-Mirim, em Rondônia, cruzar a fronteira e chegar ao porto de Guayaramerin.

A retenção do barco foi feita por integrantes da associação de pequenas embarcações, os “peque peques”, quando ele atracou no Porto Oficial da Bolívia Nicolas Suarez com passageiros e tripulantes.

Ainda na sexta-feira à noite, de forma emergencial, barcos bolivianos foram autorizados a cruzar a fronteira para poder levar as pessoas —entre elas crianças e brasileiros que estudam no país— que aguardavam o transporte para retornar para casa. O trajeto foi feito sob forte escolta.

Tentativa frustrada de acordo

Na noite de sábado (20), chegou a haver um acordo das empresas com as autoridades para retomada da travessia, mas logo que a primeira embarcação brasileira chegou em Guayaramerin, um grupo de pessoas invadiu a área e tentou reter outro barco.

O incidente levou as autoridades bolivianas a informarem a suspensão do trajeto por falta de segurança no local.

A coluna procurou a PF em Rondônia, mas não há um posicionamento oficial.

Segundo uma fonte de empresas que atua no transporte, uma negociação está em andamento entre os dois países para liberação do barco brasileiro e do fluxo normal de viagem.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − 9 =