Conecte-se conosco

Amazonas

Vice-governador do AM fala em “personagens perigosos” no próprio barco e deixa a Casa Civil

Carlos Almeida Filho cita “águas tormentosas” e Cila e Caribdes monstros da mitologia grega, imortais e irresistíveis, e diz que exauriu as forças “remando forte no sentido oposto de muitos nessa galé” .

Citando em carta que “personagens tão ou mais perigosos se encontram em todos os lugares, às vezes, até mesmo dentro nosso próprio barco”, que seu papel “ foi sempre de blindar meu Estado contra esses Espectros, alertando-lhe, sempre, dos caminhos a serem seguidos, para não tombar nos rochedos”, que “a despeito de todo meu esforço, não estou com a mão no timão, e já exauri minhas forças remando forte no sentido oposto de muitos nessa galé”, o vice-governador do Amazonas, Carlos Alberto Almeida Filho, pediu, hoje exoneração do cargo de secretário da Casa Civil.

Na carta, ele diz que “ não se singra por águas tormentosas sem que se tenha de enfrentar Cila e Caribdes”, monstros da Odisseia de Homero, que relata as aventuras de Ulisses após a Guerra de Troia. Cila e Caríbdis, na mitologia grega, são dois monstros imortais e irresistíveis que afligem as águas do Estreito de Messina, entre a Itália e a Sicília. Navegantes que passavam por esta região, se escapavam de um, caiam nas garras de outro: ninguém se salvava, inclusive Ulisses, que teve alguns de seus companheiros devorados por Cila e seus navios despedaçados por Caríbdis.

Caríbdis era um monstro marinho protetor de limites territoriais no mar. Durante sua existência como ninfa, Caríbdis se caracterizava por uma voracidade extrema. Quando Héracles passou perto de Messina, levando os bois de Gerião, ela roubou alguns dos animais e devorou-os. Ao tentar investir contra o herói, que tentava recuperar seu gado, Caríbdis foi fulminada por Zeus com um raio, e lançada às profundezas do mar, onde se transformou em um monstro marinho em forma de torvelinho, que três vezes por dia engolia das águas do mar e três vezes por dia tornava a cuspi-las.

Veja a Carta de Exoneração

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + treze =

Need Help? Chat with us