Conecte-se conosco

Amazonas

Proibidos de fazer greve, policiais civis do Amazonas anunciam ‘Operação Tartaruga’ nas delegacias

Medida é mais um passo da mobilização realizada pelos investigadores e escrivães

Foto: Divulgação

Impedidos pela Justiça de realizarem greve geral, escrivães e investigadores da Polícia Civil do Amazonas anunciaram nesta sexta-feira (08/07) que estão em Operação Padrão em todo o estado, em protesto contra o não pagamento da última parcela do escalonamento e pela liberação das promoções, ambos atos que dependem exclusivamente do governador Wilson Lima (UB).

O investigador James Figueiredo, um dos líderes do movimento dos policiais, disse que a operação se dará para sensibilizar a Justiça estadual diante da ação judicial favorável pela liberação das promoções dos escrivães e investigadores. “E também entramos com ação pelo pagamento da última parcela do escalonamento. Assim como a liminar (que barrou a greve) saiu de forma célere, nós queremos também que a justiça deliberasse de forma célere a nossa situação. Com o governo tudo acontece de forma rápida. A favor dos servidores, há essa dificuldade”, comentou James.

Desde o dia 25 de maio, os policiais civis pressionam o governador Wilson pelo pagamento dos direitos trabalhistas. Os investigadores e escrivães estão seguindo uma cartilha produzida pelo Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Amazonas (Simpol-AM), em que orienta os agentes da força policial a cumprir apenas o seu trabalho e com a estrutura disponibilizada pelo Governo do Amazonas permitir. Por exemplo, caso a delegacia não tenha computador, o policial não deve usar o seu equipamento pessoal.

Ontem, o desembargador Abraham Peixoto Campos Filho, da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas, concedeu a tutela de urgência em favor do Estado e determinou a suspensão da greve da categoria, marcada para hoje (08/07) sob pena de multa diária de R$100 mil, bem como autorizou ao Estado proceder o desconto da remuneração dos servidores que porventura deixem de trabalhar em função da greve.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

treze − 8 =