Conecte-se conosco

Amazonas

Profissionais da saúde estão pedindo socorro, diz presidente de sindicato na Assembleia do Amazonas

Dados do Sindpriv-AM revelam que desde janeiro de 2021, um total de 82 profissionais da saúde vieram a óbito devido a contaminação da Covid.

“Profissionais da saúde estão pedindo socorro”. A frase foi dita pela residente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Serviço de Saúde do Amazonas (Sindpriv-AM), Graciete Mouzinho, ao finalizar seu discurso, nesta terça-feira (04/05), na tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE).

O desabafo em tom de protesto, feito em cessão de tempo do deputado estadual Wilker Barreto (Podemos), foi em meio a reivindicações salariais de 3,5 mil trabalhadores temporários contratados de forma direta pelo Governo do Amazonas, embasado pela Lei Delegada 127/2020.  Entre as principais reivindicações deles está o pagamento integral dos plantões (total de 13, mas são pagos apenas 10), recebimento de periculosidade e/ou risco de vida e ticket alimentação.

“Quando o Governo criou essa lei, falaram que nossos profissionais iriam deixar de passar fome, garantindo todos os direitos deles. Mas desde que entraram, o ticket de alimentação foi retirado deles, nunca receberam, assim como risco de vida. O total de pouco mais de 1 mil reais não dá para suprir as necessidades e, mesmo doente, eles estavam cuidando das pessoas, salvando vidas. E quando adoeceram,  não tiveram uma UTI. Fora os plantões, que estão sendo três de graça e pagos apenas 10”, disse Graciete.
 
Dados do sindicato revelam que desde janeiro de 2021, um total de 82 profissionais da saúde vieram a óbito devido a contaminação da Covid, enquanto dois mil profissionais estão sequelados.  Mesmo diante deste cenário devastador, a classe ainda precisa cobrar do Governo melhores condições de trabalho previstas em lei.

Em janeiro de 2020, o Governo anunciou a contratação direta dos técnicos de enfermagem para atuarem na rede estadual de saúde. Para isso, houve a rescisão dos contratos com as empresas e cooperativas no exercício de dezembro de 2019. Os trabalhadores foram incorporados pela administração estadual e, pelo contrato, os técnicos de enfermagem cumpririam 13 plantões por mês, recebendo ao final de cada mês de acordo com o calendário de pagamento do Estado. De acordo com o Sindpriv, os plantões não estão sendo pagos de forma integral.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *