Conecte-se conosco

Amazonas

Professores ‘descomemoram’ 2 anos à espera de audiência com governador Wilson Lima

A categoria decidiu, em assembleia, reivindicar 17% de reajuste salarial, pagamento retroativo das datas-bases 2021, pagamento das progressões por titularidade e tempo de serviço – atrasadas desde 2019

Professores protestaram na frente da sede do governo nesta segunda-feira

Nesta segunda-feira (07/03), professores vinculados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) distribuíram fatias de bolo para quem passava na manhã de hoje na frente da sede do Governo do Estado, bairro  Compensa II, zona oeste de Manaus. O ato se deu como forma de chamar atenção para os dois anos de espera por uma resposta para os mais de 100 ofícios pedindo audiência com o governador Wilson Lima (PSC).

Diante do esquecimento por falta do chefe do Executivo, o grupo de trabalhadores fez uma “descomemoração” com direito a música de parabéns, bolo, balões, faixas e protesto. “Gostaríamos de entregar uma fatia para o governador que é nosso principal convidado, mas não sei por que ele não veio para a festa”, ironizou a presidente do sindicato, Ana Cristina Rodrigues.

A categoria decidiu, em assembleia, reivindicar 17% de reajuste salarial, pagamento retroativo das datas-bases 2021, pagamento das progressões por titularidade e tempo de serviço – atrasadas desde 2019 –, reajuste do vale-alimentação e revisão do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR).

Segundo o Sinteam, três viaturas da Polícia Militar foram colocadas na frente da sede do governo para intimidar os manifestantes. “Eu nunca me senti tão segura. E não preciso de armas. Inclusive, tenho uma caneta na minha mão. Essa é a minha arma e se o governador quiser, empresto para ele assinar nossas progressões que estão paradas desde antes da pandemia”, afirmou Ana Cristina.

Em 42 anos de história, é a primeira vez que um governador se nega a dialogar com os trabalhadores da educação. Wilson Lima se reuniu com membros do Sinteam em 2019 após mais de 40 dias de greve mas no mesmo dia se retirou da mesa de negociação. Desde então, não responde os pedidos de audiência feitos pelo sindicato.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três × cinco =