Conecte-se conosco

Amazonas

Pesquisa aponta que 25% dos bares e restaurantes no Amazonas tiveram prejuízo em maio

Imposto seletivo sobre bebidas açucaradas pode agravar situação de empresas endividadas e com margens de lucro reduzidas.

Estudo realizado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes seccional Amazonas (Abrasel/AM) revelou que em maio deste ano, 64% dos bares e restaurantes no Amazonas não conseguiram obter lucro. Destes, 25% registraram prejuízo e 39% ficaram no ponto de equilíbrio. Apenas 36% dos estabelecimentos conseguiram lucrar.

De acordo com o levantamento, os empresários do Amazonas estão com margens de lucro cada vez menores agravadas pelo aumento nos custos dos principais insumos, como alimentos e bebidas, que subiram 4,2% este ano, enquanto a inflação no setor foi de apenas 1,99%. Conforme a pesquisa, 41% dos estabelecimentos não conseguem reajustar seus preços de acordo com a inflação.

A situação é ainda mais preocupante em meio às discussões sobre a reforma tributária, que inclui a proposta de um imposto seletivo mais alto para produtos populares em bares e restaurantes, como bebidas açucaradas. Rodrigo Zamperlini, presidente da Abrasel no Amazonas, destaca os potenciais impactos negativos dessa medida.

“O setor ainda precisa recuperar suas margens de lucro e reduzir o endividamento. A pesquisa atual mostra números semelhantes aos da leitura anterior. A regulamentação da reforma tributária é uma preocupação constante”, afirmou.
Zamperlini também alerta para a proposta de tributação seletiva sobre bebidas açucaradas, considerando-a incoerente. “É crucial evitar o aumento de impostos e corrigir incoerências, como a taxação das bebidas açucaradas”, acrescentou.

A pesquisa da Abrasel no Amazonas também aponta um alto índice de endividamento entre as empresas do setor. Os dados mostram que 44% dos negócios têm dívidas em atraso, sendo 70% de impostos federais, 47% de impostos estaduais, 43% de parcelas de empréstimos e 38% de encargos trabalhistas e previdenciários.

A Associação continua a monitorar o cenário e busca soluções em conjunto com autoridades e partes interessadas para garantir a sustentabilidade e o crescimento do setor, vital para a economia local.