Conecte-se conosco

Amazonas

MP cobra até 2 bilhões de dólares de Bolsonaro e Ricardo Salles pelo fim do Fundo Amazônia

O fundo, de cerca de 3 bilhões de dólares, era financiado pela Alemanha e pela Noruega com o intuito de incentivar políticas de proteção ambiental.

Ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. (Foto: Adriano Machado/Crusoé)

O MP entrou, nesta quinta-feira (30), com uma ação no TCU cobrando até 2 bilhões de dólares de Jair Bolsonaro e do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (foto) por terem acabado com o Fundo Amazônia.

Assinada pelo subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado, a ação pede ao TCU apuração da conduta “intransigente, temerária e ideologizada” da dupla.

Segundo o MP, o encerramento do Fundo Amazônia pode ter levado à “ocorrência de prejuízos ao Brasil, sobretudo às políticas públicas de preservação ambiental”.

O Ministério Público cobra, de cada um, 1 bilhão de dólares em multa e outro bilhão em débitos, o que daria cerca de R$ 10,5 bilhões para cada.

O Fundo Amazônia era financiado pela Alemanha e pela Noruega, contando com 3 bilhões de dólares para avançar políticas de proteção ambiental.

O MP afirma que “o governo Bolsonaro insistiu em manipular a finalidade do fundo, decidindo livremente e de maneira unilateral a destinação dos recursos”, mas que, após não conseguir manipular os recursos como queria, encerrou o fundo.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

sete − 7 =