Conecte-se conosco

Amazonas

Mais dinheiro nos cofres: arrecadação bruta do Amazonas cresce R$ 2,1 bilhões até outubro

Em junho, a Assembleia Legislativa do Estado (ALE) aprovou, por 14 votos a 7, o Projeto de Lei (PL) 84/2019, o chamado de “pacote de maldades”, do governador Wilson Lima, que congelou os salário dos servidores até 2021.

Organizadora será a escolhida para realizar o concurso da Sefaz, aponta deputado

A arrecadação bruta do Estado do Amazonas em 2019, até outubro, foi de R$ 16,7 bilhões (R$ 16.716.839.375,26), ou 14,74% maior do que a de 2018, de R$ 14,5 bilhões (R$ 14.568.966.863,52), de acordo com os números do Portal da Transparência. A diferença é de R$ 2,1 bilhões (R$ 2.147.872.511,74). Em outubro deste ano, a arrecadação foi de R$ 1,7 bilhão (R$ 1.727.305.390,05), 26,23% maior do que a de outubro do ano passado, de R$ 1,3 bilhão (R$ 1.368.355.658,94), também de acordo com os números oficiais do governo.

Até o final do ano, o crescimento da arrecadação deve ser mantido, devendo ficar entre R$ 1,8 bilhão e R$ 2 bilhões a mais do que no ano passado, segundo previsões economista e deputado estadual Serafim Corrêa, feitas em junho, ao anunciar o aumento na arrecadação nos primeiros seis meses do ano. Segundo ele, o crescimento é bem acima do índice da inflação.

 

Arrecadação de 2019 até outubro – Portal da Transparência

Arrecadação de 2018, até outubro – Portal da Transparência

Em junho, sob fortes protesto, a Assembleia Legislativa do Estado (ALE) aprovou, por 14 votos a 7, o Projeto de Lei (PL) 84/2019, o chamado de “pacote de maldades”, enviado pelo governador Wilson Lima, que congelou os salário dos servidores até 2021. Logo depois, o governador anunciou o atraso no pagamento dos salários de novembro para dezembro e os de dezembro para janeiro de 2020. Na época, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Amazonas (Sinteam), Alfredo Rocha, disse que o congelamento do reajuste salarial da categoria será por três anos. O governo do Amazonas alegou que o pacote de medidas submetidas à ALE era para equilibrar as contas públicas.

A arrecadação do estado já demonstrava crescimento desde o ano passado. A arrecadação tributária em outubro de 2018 fechou em alta de 17,32% em relação a igual mês do ano anterior. E já refletia o ciclo de atividade econômica do Polo Industrial de Manaus(PIM). Os indicadores já demonstravam que a economia começava a dar sinais de recuperação. Os dois maiores setores do PIM – duas rodas e eletroeletrônicos – apresentavam indicadores ascendentes.

Em maio deste ano, o governo do Estado O Amazonas informou que registrou queda de 0,40% na arrecadação nos quatro primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado e aumento das despesas. Esse foi o argumento do governador para , segundo ele, adotar medidas para tentar economizar R$ 50 milhões por mês. “O descompasso entre despesas e receitas só aumentou, em especial de 2018 para esse ano. Como os números atestam, não temos capacidade de investimento e isso é muito grave. O Estado se tornou gestor de um grupo de 130 mil servidores e fornecedores, enquanto que temos que governar para todo o Estado, com mais de 4 milhões de pessoas’’, disse o governador, ao anunciar as medidas.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três × cinco =