Conecte-se conosco

Amazonas

Mais dinheiro: Governo do Amazonas tem R$ 2,3 bilhões a mais em receitas no 1º quadrimestre de 2022

As receitas do Amazonas alcançaram R$ 9,6 bilhões no primeiro quadrimestre de 2022, de acordo com o Portal da Transparência do Estado.

As receitas do Estado do Amazonas alcançaram R$ 9,6 bilhões no primeiro quadrimestre de 2022, um crescimento de 31%, com relação ao mesmo período de 2021. O valor é R$ 2,3 bilhões a mais do que no mesmo período do ano anterior, que foi de R$ 7,3 bilhões. Os números são do Portal da Transparência do Estado e são a soma de todas as entradas nos cofres públicos obtidas por meio de impostos, taxas, transferências, operações de crédito, entre outros.


Em 2021, o Estado teve um crescimento na arrecadação tributária de 12% em relação ao ano anterior. Foram R$ 22,7 bilhões de arrecadação, contra R$ 25,5 bilhões em 2020. O governo do Amazonas estima arrecadar R$ 24 bilhões ao longo de 2022, conforme a Lei Orçamentária Anual (LOA). No ano passado, a previsão orçamentária era de R$ 18,8 bilhões, mas o valor arrecadado chegou a R$ 25,5 bilhões, ou seja, 35% a mais do que a estimativa.

O governo do Estado nunca teve tanto dinheiro para gastar. Nos últimos anos, a arrecadação de impostos no Amazonas vem batendo recordes históricos. Em fevereiro, a Sefaz informou que o Estado fechou o ano de 2021 com R$ 2,754 bilhões a mais na receita, tendo arrecadado R$ 25,516 bilhões durante o exercício. No seu quarto ano de mandato, quando tentará se manter na cadeira de governador, o governador Wilson Lima (PSC) terá ainda mais recursos orçamentários do que teve em 2021.

NO final de quatro anos, Wilson Lima terá administrado o maior orçamento da história do Amazonas em um único mandato: um pouco mais de R$ 81 bilhões. O orçamento do ano de 2022 é R$ 8,6 bilhões maior do que o de 2018, da gestão anterior, do então governador Amazonino Mendes. Desde 2019, o Estado vem batendo sucessivos recordes de arrecadação de impostos.

Em fevereiro, o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD), disse que há um descompasso com os gastos do Governo do Estado e que o aumento da arrecadação não está garantindo a melhoria esperada de serviços como saúde e segurança pública. Segundo ele, apesar da boa saúde financeira, os serviços públicos oferecidos pelo Estado só pioraram.

O governo informou que o números são resultado de ajustes estratégicos na área tributária, sem aumento de carga ao consumidor final, assim como de fatores microeconômicos, como o bom desempenho do setor de duas rodas no Polo Industrial de Manaus. E, ainda, de fatores macroeconômicos, como a depreciação do real perante o dólar, o ‘boom’ das commodities e o aumento sistemático do preço dos combustíveis no Brasil.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

oito + 19 =