Conecte-se conosco

Amazonas

Imagens em grupo de WhatsApp mostram fila de carros de funerárias em cemitério de Manaus

A regras ditadas pela Prefeitura de Manaus para sepultamentos não estão sendo obedecidas. Há aglomeração de pessoas no cemitério. Não há informações sobre as causas das mortes.

Imagens que circularam em grupos de WathsApp nesta segunda-feira, em Manaus, mostram filas de carros de funerárias no Cemitério do Tarumã, em Manaus, esperando a vez para desembarcarem caixões para enterros, na tarde do último domingo. As imagens mostram que as regras ditadas pela prefeitura de Manaus não estão sendo obedecidas. Há aglomeração de pessoas no cemitério. Não há informações sobre as causas das mortes.

O presidente do Sindicato das Empresas Funerárias do Estado do Amazonas, Manuel Viana, confirmou o quadro retratado no vídeo. Ele admite que o número de mortes diárias cresceu acima das expectativas e, por isso, a organização dos enterros escapa ao controle. “Antes do coronavírus, a média aqui era de 30 sepultamentos por dia. O setor funerário tinha feito uma projeção de que estaríamos em abril com algo em torno de 50 e poucos óbitos por dia. Mas só neste domingo morreram 122. Na terça da semana passada (dia 14) foram 102. Desde então, este número só cresceu.

Para encontrar soluções, Manaus criou um comitê de crise para óbitos formado por membros do setor funerário e das secretarias municipais da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc) e de Limpeza e Serviços Públicos (Semulsp), que inciaram os debates nesta segunda. A primeira medida para tentar conter o caos no Tarumã é o aumento do número de funcionários. “ Aí poderemos organizar os sepultamentos com uma velocidade maior. Aquele tumulto foi na hora do intervalo para o almoço. Provavelmente já a partir desta terça serão duas turmas fazendo um revezamento. Com isso, não vamos ficar sem atendimento na hora do almoço”, explica Viana.

O primeiro indício de esgotamento veio justamente de um serviço da prefeitura: o SOS Funeral, oferecido de forma gratuita a quem não tem condições de arcar com os custos de remoção do corpo e com a taxa de sepultamento. Com capacidade para até 20 óbitos por dia, ele atingiu o seu limite na semana passada. A Prefeitura, então, recorreu às funerárias particulares, que agora se revezam diariamente para suprir esta ausência.

Contêineres frigoríficos foram instalados no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus, para comportar a alta demanda de caixões que estão sendo enviados de hospitais públicos da capital, muitos de vítimas do novo coronavírus.

A Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), responsável pela administração do cemitério, informou que os contêineres frigoríficos serão usados para comportar os caixões que estão vindo dos hospitais públicos, a espera dos respectivos sepultamentos. “Isso foi feito para poder liberar os carros do S.O.S Funeral, em imediato, para atender com eficiência e rapidez às demandas”, disse o órgão, por meio de assessoria de imprensa.

Regras

Decreto Municipal publicado em Edição Especial do Diário Oficial, no último dia 11 de abril, limitou a 3 o número de pessoas que podem participar de sepultamento de quem foi diagnosticado ou era suspeito de contaminação com o novo coronavírus (Covid-19). Segundo o Decreto, em nenhuma hipótese deverão participar das cerimônias de velório e sepultamento as pessoas identificadas como pertencentes ao grupo de risco.

No caso de óbito de pessoas com diagnóstico confirmado ou suspeito do novo coronavírus (Covid-19), uma vez realizada a preparação dos corpos pelas prestadoras de serviços, estes deverão seguir imediatamente para o sepultamento ou cremação, sem a realização da cerimônia de velório.
Poderão participar do cortejo apenas o veículo que conduza a urna funerária e 1 veículo particular, limitada a participação na cerimônia de sepultamento a 3 pessoas.

No decorrer da cerimônia de sepultamento, os participantes deverão respeitar a distância mínima de 2 metros entre elas.

Sem Covid-19

Os velórios de pessoas cuja causa mortis não se deu em razão do novo coronavírus (COVID-19) deverão obedecer aos seguintes critérios:
– fica limitado a 10 o número de pessoas presentes à cerimônia de velório;
o tempo da cerimônia de velório fica limitado a até 2h (duas horas) de duração;
a cerimônia de velório deverá ocorrer, obrigatoriamente, entre 7h (sete horas) e 15h (quinze horas);
– de forma a evitar aglomeração, as cerimônias de velório deverão respeitar o limite máximo 5 (cinco) pessoas, por vez, dentro da sala ou espaço destinado a cerimônia, mantendo-se a distância mínima de 2 m (dois metros) entre os presentes.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 20 =

Need Help? Chat with us