Conecte-se conosco

Amazonas

IBGE: volume de serviços recuou no Amazonas em novembro de 2019

No acumulado de janeiro a novembro de 2019, frente a igual período do ano anterior, o volume de serviços no Amazonas cresceu 3,4%.

Em novembro de 2019, em relação a outubro, o volume de serviços recuou em 16 das 27 unidades da federação. No Amazonas, o recuo foi de 0,7%, após uma alta de 2,9% em outubro. No acumulado de janeiro a novembro de 2019, frente a igual período do ano anterior, o volume de serviços no Amazonas cresceu 3,4%,segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (14), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Regionalmente, a maior parte (16) das 27 unidades da federação assinalou retração no volume de serviços em novembro de 2019, na comparação com o mês imediatamente anterior. Entre os locais que apontaram resultados negativos nesse mês, destaque para Mato Grosso (-5,7%), Minas Gerais (-1,1%), Pernambuco (-3,0%), Santa Catarina (-1,8%) e Espírito Santo (-3,5%). Em contrapartida, os principais resultados positivos em termos regionais vieram de Rio de Janeiro (0,8%) e do Distrito Federal (0,9%).

Em novembro de 2019, na série com ajuste sazonal, o setor de serviços no Brasil mostrou ligeira variação negativa (-0,1%) frente ao mês anterior, após crescimento acumulado de 2,2% entre setembro e outubro. Na série sem ajuste sazonal, contudo, o total do volume de serviços avançou 1,8% em novembro de 2019 frente a igual mês do ano anterior, alcançando a terceira taxa positiva consecutiva.

O decréscimo de 0,1% no volume de serviços, observado na passagem de outubro para novembro de 2019, foi acompanhado por três das cinco atividades investigadas, com destaque para o recuo do setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,7%), pressionado pelos segmentos de transporte terrestre (-1,6%), de armazenagem e serviços auxiliares aos transportes (-1,1%) e de transporte aéreo (-3,3%).

Os demais recuos vieram dos setores de serviços prestados às famílias (-1,5%), que eliminou integralmente o avanço observado no mês anterior (1,5%) e dos serviços de informação e comunicação (-0,4%), em que parte do ganho de 1,7% verificado em outubro foi devolvido. Em sentido oposto, os “outros serviços” (1,7%) assinalaram o resultado positivo mais expressivo do mês, seguidos pelos serviços profissionais, administrativos e complementares (0,1%), que emplacaram a quarta taxa positiva seguida, acumulando nesse período um ganho de 3,2%.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezoito − 2 =