Conecte-se conosco

Amazonas

Administração de Wilson Lima teve a maior arrecadação da história do AM: R$ 4 bi a mais que em 2018

Mesmo com R$ 4 bilhões a mais para gastar, a atual gestão fechou o ano de 2019 com saldo a pagar de R$ 1,3 bilhão.

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), administrou o Estado, em seu primeiro ano de governo, com a maior arrecadação da história. Foram R$ 21,9 bilhões, ou R$ 4,02 bilhões a mais de Receita Bruta, em comparação a 2018 (R$ 17.900.167.459,20). O crescimento foi de 24,45%.

A diferença é mais de duas vezes o que o governo gastou, em 2019, na Secretaria de Estado de Saúde (Susam). Os números estavam no Portal da Transparência do Estado desta segunda-feira e mostram que a atual administração teve mais de duas vezes mais dinheiro do que o governador que administrava o Estado em 2010.

Arrecadação do Estado

2019 – R$ 21.923.774.258,78
2018 – R$ 17.900.167.459,20
2017 – R$ 15.453.669.660,87
2016 – R$ 15.299.161.488,75
2015 – R$ 14.137.552.903,38
2014 – R$ 15.455.851.879,01
2013 – R$ 14.452.464.177,88
2012 – R$ 12.888.954.625,41
2011 – R$ 10.543.748.361,93
2010 – R$ 9.649.542.733,62

Pagamentos

Em 2019, o Poder Executivo estadual empenhou R$ 17,1 bilhões (R$ 17.126.524.301,00) e pagou R$ 15,8 bilhões (R$ 15.802.156.812,04). De acordo com os dados disponíveis nesta segunda-feira, mesmo com crescimento na arrecadação o governo fechou devendo pagamentos de R$ 1,3 bilhão, após ter pago R$ 639,9 milhões (R$ 636.997.096,03) de dívidas de exercícios anteriores, que somaram R$ 722,9 milhões (R$ 722.906.332,82).

Transparência: a gestão de Amazonino Mendes, em 2018, pagou R$ 185,6 milhões (R$ 185.693.017,15) a mais de dívidas de exercícios anteriores do que a de Wilson Lima.

Com R$ 4,03 bilhão a mais de arrecadação, a gestão de Wilson Lima, em 2019, pagou de exercícios anteriores bem menos do que a gestão anterior, de Amazonino Mendes, em 2018. Segundo os dados do Portal da Transparência, Amazonino pagou R$ 822,6 milhões (R$ 822.690.113,18). Ou seja, a gestão de Amazonino em 2018 pagou R$ 185,6 milhões (R$ 185.693.017,15) a mais de dívidas de exercícios anteriores do que a de Wilson Lima.

Restos a pagar são despesas empenhadas e não pagas. São inscritas no último dia do ano. Despesas de exercícios anteriores são despesas empenhadas, liquidadas e pagas, mas que se referem a fatos que ocorreram em outra data. Ou seja, é uma despesa orçamentária normal, como outra qualquer, só que se refere a uma situação em que o fato gerador aconteceu no passado, em exercício anterior, daí a origem do nome.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

12 + sete =