Conecte-se conosco

Amazonas

Folha de S. Paulo diz que resultados de Wilson Lima na Segurança Pública são “calamitosos”

Segundo o jornal, em editorial, “apesar do cenário desolador, o governador Wilson Lima não dá sinais de que mudará de rumo.

Em editorial com o título ‘Estado Policial’, o jornal Folha de S. Paulo disse que os resultados da gestão do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), na área de Segurança Pública são calamitosos e que “a população amazonense não deixa de padecer com a ousadia do crime organizado”.

Segundo o jornal, “apesar do cenário desolador, o governador Wilson Lima não dá sinais de que mudará de rumo. O Amazonas está refém, pois, de uma nefasta união de ideologia e corporativismo que resulta em péssima política pública”.

A Folha diz que “a onda conservadora que levou Jair Bolsonaro ao Planalto em 2018 também elegeu governadores e parlamentares defensores do endurecimento da ação policial e de interesses das corporações da segurança pública”. E, ainda: “O Amazonas constitui hoje um exemplo de quão deletéria pode ser essa combinação”.

O jornal diz que o governador é “neófito na política e à frente do estado graças à popularidade como apresentador de um programa de TV policialesco”.

Diz que, “em dois anos e meio, a Polícia Militar amazonense já protagonizou três chacinas.

E lembra que, além dos casos de violência extrema, há envolvimento em episódios rumorosos, como o roubo, em maio, de 500 quilos de maconha para redistribuição.

Diz também que, no início do mês, o secretário-executivo de Inteligência, o delegado da Polícia Civil Samir Freire, foi preso por rastrear e se apropriar de ouro de garimpo usando a máquina pública. Segundo investigações, ele e sua equipe monitoravam as vítimas com o Guardião, equipamento sofisticado que grava conversas telefônicas.

“Enquanto isso, a população amazonense não deixa de padecer com a ousadia do crime organizado. Em junho, numa inédita demonstração de força, o Comando Vermelho incendiou e depredou ônibus, prédios públicos e viaturas em Manaus e em outras cidades”.

Segundo o jornal, “apesar do cenário desolador, o governador Wilson Lima não dá sinais de que mudará de rumo. O Amazonas está refém, pois, de uma nefasta união de ideologia e corporativismo que resulta em péssima política pública”.

Veja o editorial na íntegra:

Estado policial

A onda conservadora que levou Jair Bolsonaro ao Planalto em 2018 também elegeu governadores e parlamentares defensores do endurecimento da ação policial e de interesses das corporações da segurança pública. O Amazonas constitui hoje um exemplo de quão deletéria pode ser essa combinação.

Neófito na política e à frente do estado graças à popularidade como apresentador de um programa de TV policialesco, Wilson Lima (PSC) entregou as pastas de Segurança Pública e de Administração Penitenciária a coronéis da PM. Os resultados são calamitosos.

Em dois anos e meio, a Polícia Militar amazonense já protagonizou três chacinas. A primeira delas, ocorrida em 2019 em Manaus, deixou um saldo de 17 mortos — na operação mais letal de sua história.

Na segunda, em agosto de 2020, perto da cidade de Nova Olinda do Norte, registraram-se cinco mortos e três desaparecidos, em reação à morte de dois policiais. A truculência levou a Justiça Federal a determinar que a União adotasse medidas para proteger ribeirinhos e indígenas da ação dos agentes.

A mais recente matança aconteceu na cidade fronteiriça de Tabatinga, em junho, também após o assassinato de um policial. Familiares e testemunhas acusam a PM de ter matado seis jovens, dos quais três foram encontrados no lixão da cidade com sinais de tortura.

Além dos casos de violência extrema, há envolvimento em episódios rumorosos, como o roubo, em maio, de 500 quilos de maconha para redistribuição.

No início do mês, o secretário-executivo de Inteligência, o delegado da Polícia Civil Samir Freire, foi preso por rastrear e se apropriar de ouro de garimpo usando a máquina pública. Segundo investigações, ele e sua equipe monitoravam as vítimas com o Guardião, equipamento sofisticado que grava conversas telefônicas.

Enquanto isso, a população amazonense não deixa de padecer com a ousadia do crime organizado. Em junho, numa inédita demonstração de força, o Comando Vermelho incendiou e depredou ônibus, prédios públicos e viaturas em Manaus e em outras cidades.

Apesar do cenário desolador, o governador Wilson Lima não dá sinais de que mudará de rumo. O Amazonas está refém, pois, de uma nefasta união de ideologia e corporativismo que resulta em péssima política pública. Que ao menos sirva de alerta às outras unidades da Federação e à sociedade.

editoriais@grupofolha.com.br

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2019-2021 - 18 Horas - Todos os direitos reservados.
Rede de Rádio Difusão Novidade Técnica LTDA
34.503.722/0001-80