Conecte-se conosco

Amazonas

Ex-ministro Mandetta diz na CPI que não faltaram recursos federais para o Amazonas, na primeira onda

O ex-ministro acentuou que os recursos foram repassados e que os gestores poderiam fazer o uso dentro do Plano de Contingência para adquirir respiradores.

Ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta , na CPI. (Foto: AFP / Agência Senado / Jefferson Rudy)

O depoimento do ex-ministro da Saúde, Henrique Mandeta, à CPI da Covid-19 no Senado, nesta terça-feira, 4/5, ressaltou que o governo federal repassou dinheiro para o Amazonas durante a primeira onda da pandemia. Ele criticou as gestões do estado e município na aplicação desses recursos.

A informação de Mandeta foi dada como resposta ao questionamento do senador Eduardo Braga sobre a falta de recursos repassados pelo governo federal a estados e municípios durante a pandemia da Covid-19, que impactou principalmente o estado do Amazonas.

Mandetta negou que tenha faltado recursos. “Os recursos foram repassados. Eles tinham o recurso, eles poderiam fazer o uso que tivesse dentro do Plano de Contingência, adquirir respiradores. Não é função do governo federal dizer o que pode e o que não pode comprar”, iniciou.

“Naquela pandemia é mais factível de se analisar performance dos governos porque eles tinham o mesmo problema e tomaram decisões diferentes com os seus técnicos. A impressão que eu tenho é que lá houve uma interrupção. Eu falava com um secretário, daqui a pouco me ligavam informando que a pessoa havia sido demitida. Aí entrou uma secretária que não era de lá e não conhecia a rede, não conhecia o Ministério”.

“Eu mandei para Manaus um grupo especialista em gestão de crise, médicos especialistas em gestão de crise para poder mediar o conflito entre prefeitura e estado. Ali (Manaus) me parece que vocês terão que fazer uma imersão própria porque aquilo não se repetiu em outras unidades federativas (…) Não houve falta de dinheiro e eles tomaram as decisões das compras de seus próprios equipamentos”, finalizou o ex-ministro.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *