Conecte-se conosco

Amazonas

Erro: Comissão retira de pauta PL que prejudica a garantia do Serviço Extra Gratificado a PMs e Bombeiros do Amazonas

Wilker Barreto aproveitou para cobrar da liderança do Governo na Assembleia do Amazonas o aprimoramento da matéria, algo prometido em plenário pela base, mas que até o momento não foi cumprido.

Bombeiros fazem buscas por corpo de adolescente no Igarapé do Franco, em Manaus. (Foto: Rede Amazônica)

Durante reunião ordinária nesta segunda-feira (30/05), a Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Assembleia Legislativa do Amazonas (CCJR-Aleam) retirou de pauta o Projeto de Lei nº 162/2022, de autoria do Governo do Amazonas, que trata do Serviço Extra Gratificado (SEG) à Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMAM) e Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM). A decisão, aprovada por unanimidade pelos membros da Comissão, foi um pedido do deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania) após o parlamentar alegar que a matéria possui vício de redação e técnica.

O PL altera o §2º do artigo 1º, da Lei n.5.747, de 23 de dezembro de 2021, que dispõe sobre a criação do Serviço Extra Gratificado (SEG). Para o deputado, a matéria possui irregularidades em sua tramitação quando a mesma retira a limitação de 79.202 horas mensais estipuladas aos policiais militares e 3.311 horas para os bombeiros para revisão de acordo com a dotação orçamentária, quando é sinalizado que “§2º serão disponibilizadas a quantidade de horas mensais, de acordo com a respectiva dotação orçamentária, destinada à Polícia Militar e ao Corpo de Bombeiros”.

No entanto, a alteração proposta já está prevista no artigo 5º do dispositivo vigente, ao citar “ART 5º- As despesas decorrentes da execução desta lei correrão à conta da dotação orçamentária específica consignada no orçamento do poder executivo para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros”. Desta forma, em caso de aprovação do PL 162/22, haverá duplicidade de artigos na mesma lei, o que caracteriza vício de redação e técnica.

“Com o apoio dos colegas deputados, consegui retirar o projeto de pauta que trata do Serviço Extra Gratificado. O PL tem erro claro de técnica e redação grave, além de prejudicar mortalmente as horas extras dos PMs e dos bombeiros. Do jeito que está, retira mais de 70 mil horas extras”, afirmou Barreto, autor do pedido de vista da matéria, recurso que permite prorrogar a votação de um determinado projeto para uma melhor análise e que só pode ser concedido após votação entre os membros e o presidente da comissão que a matéria está sendo examinada.

Na ocasião, Barreto aproveitou para cobrar da liderança do Governo na Assembleia do Amazonas o aprimoramento da matéria, algo prometido em plenário pela base, mas que até o momento não foi cumprido. “Já peço da liderança do governo o aprimoramento da matéria, que assumiu o compromisso em plenário e não o fez. A lei criada lá atrás foi um avanço, mas se avançarmos do jeito que está, será um retrocesso das 76 mil horas extras já conquistadas”, ponderou Wilker.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três × 5 =