Conecte-se conosco

Amazonas

‘CPI dos Combustíveis’ é prorrogada até dia 20 de agosto

De acordo com a relatora da CPI, a investigação aponta para um alinhamento de preços dos combustíveis.

Manaus, AM 05/08/2019 – Reunião que antecede a entrega do relatório da CPI dos Combustíveis.Com a participação das deputadas Joana Darc (presidente da CPI); Alessandra Campêlo (relatora) e dos deputados Alvaro Campelo; Fausto Júnior e Roberto Cidade (Fotos: Alberto César Araújo/aleam)

Os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a possível prática de cartel no preço dos combustíveis do Estado, decidiram prorrogar por 15 dias a apresentação do relatório final da CPI, que custou R$ 30 mil aos cofres públicos. O anúncio foi feito pela presidente da Comissão, deputada Joana Darc (PL), nesta segunda-feira (5), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A decisão foi tomada após polêmica envolvendo membros da comissão. O autor da CPI, deputado Álvaro Campelo (PP) pediu a prorrogação afirmando que era necessário investigar mais a fundo o possível alinhamento de preços nos postos do Estado, mas a relatora, deputada Alessandra Campelo (MDB) se mostrou contrariada com a ideia e fez até um discurso firme dizendo que Alvaro não participou das reuniões da Comissão durante o recesso. Campelo desmentiu a parlamentar, logo depois os dois se retrataram.

Segundo Joana Darc, o período definido vai ser suficiente para concluir o relatório da investigação. “Temos até dia 20 de agosto para finalizar o relatório com informações robustas”, disse.

Alessandra Campelo afirmou que o relatório está pronto, mas que a prorrogação vai ajudar em uma análise mais profunda. Mesmo dizendo que o relatório está pronto e “robusto”, a deputada comentou que “algumas informações do interior do Estado ainda não chegaram”.

“O relatório é denso e aponta para o alinhamento de preços”, completou a deputada Alessandra.

Álvaro ressaltou que todos os membros precisam analisar o relatório com profundidade. “Ao final desse relatório estaremos encaminhando aos órgãos competentes para que eles tomem as medidas necessárias. Estamos fazendo tudo com muita seriedade com a preocupação de que não tenha pressão de nenhum grupo”, afirmou.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte + 16 =