Conecte-se conosco

Amazonas

CNN: Homicídios aumentaram 507% de 2019 a 2021 na região do AM onde jornalista e indigenista desapareceram

Mortes no primeiro trimestre de 2022 já superam as 14 registradas ao longo de todo o ano de 2019 na região.

Levantamento da CNN Brasil aponta que os homicídios na região sudoeste do Amazonas aumentaram de 14 em 2019 para 85 em 2021, um crescimento de 507%, de acordo com relatórios anuais da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas. Esta é a região do estado onde, segundo confissão à Polícia Federal, o suspeito Amarildo Oliveira da Costa teria assassinado o jornalista Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira.

Além disso, com 18 assassinatos nos primeiros três meses deste ano, 2022 já supera os 14 registrados ao longo de todo o ano de 2019 na região. Tabatinga foi o município que mais registrou homicídios entre janeiro e março, com 10 ao todo. As outras oito mortes foram notificadas em Fonte Boa (3), Eirunepé (2), Carauari (1), Ipixuna (1) e São Paulo de Olivença (1).

A cidade da região com maior aumento de assassinatos no período foi Tabatinga, que registrou três homicídios em 2019, 46 em 2020 e 52 em 2021 – aumento de 1.600% em dois anos. Envira e Benjamin Contant foram as cidades do sudoeste amazonense com mais homicídios depois de Tabatinga, com oito registros cada. O aumento nos homicídios da região segue a tendência de aumento do estado. De 2019 para 2021, houve um aumento de 44% no número de assassinatos no Amazonas.

Ao todo, foram registrados 1.464 no estado, 1.060 dos quais, em Manaus, capital e cidade mais populosa do estado. Depois de Manaus, as cidades que mais registraram homicídios em 2021 foram Iranduba (67), município localizado a 38km da capital, e Tabatinga.

Desaparecimentos

A região onde o jornalista e o indigenista desapareceram teve apenas um outro caso de pessoa desaparecida desde 2019, em Tabatinga. No entanto, os municípios do interior do estado do Amazonas registraram 138 desaparecimentos de pessoas em 2021, maior número em dez anos, de acordo com os relatórios anuais da Secretaria de Segurança Pública do estado. Os relatórios mostram ainda que os dois primeiros meses de 2022 foram os piores da década, com 32 pessoas desaparecidas.

Ainda de acordo com os relatórios, apenas 13 das 909 pessoas desaparecidas no interior do Amazonas foram localizadas entre 2012 e 2021. Foram três pessoas encontradas em 2016, oito em 2020 e duas em 2021. Não há dados sobre os localizados em 2022.

Manaus

Já na capital, o número de desaparecimentos está em queda. Foram 851 casos em 2019 e, desde então, a tendência foi de queda, com 555 registros em 2020 e 539 em 2021. No entanto, os dois primeiros meses de 2022 tiveram aumento de 107% no número de pessoas desaparecidas em relação ao mesmo período de 2021.

Os dados da capital mostram ainda que existe uma diferença de faixa etária entre os desaparecimentos de acordo com o sexo das pessoas. Entre as mulheres, a faixa mais afetada em Manaus foi de jovens entre 12 e 17 anos, com 225 desaparecidas. Já entre os homens, a faixa etária de 35 a 64 anos é a que tem mais registros, com 428.

Ao todo, o Amazonas registrou 9128 desaparecimentos desde 2012. Deste total, 295 pessoas foram encontradas no mesmo período, número que corresponde a 3,23% dos desaparecidos. O ano em que mais pessoas foram localizadas foi 2018, com 81 encontros.

Monitor da Violência: Amazonas supera índice nacional de crimes violentos com aumento de 54% em 2021

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezenove − onze =