Conecte-se conosco

Amazonas

Cientista da Fiocruz diz que clima ‘fim de pandemia’ gera risco diante na nova variante ‘Deltacron’

Jesem Orellana criticou a decisão do governador Wilson Lima em desobrigar o uso de máscaras no Amazonas

Nova cepa combina características da Delta e da Ômicron

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou, nesta terça-feira (15), que o Brasil já registra dois casos de pessoas infectadas por uma variante do novo coronavírus, a Deltacron, sendo um no Pará e o outro no Amapá. Para o epidemiologista e pesquisador da Fiocruz Amazônia, Jesem Orellana, o “clima de fim de pandemia” encarado pelos amazonenses nos últimos dias reacende os riscos do novo coronavírus.

Jesem explicou que a nova variante “Deltacron” é uma variante que combina características da Delta, já associada com casos de maior gravidade clínica, com a variante Ômicron, a mais transmissível de todas as cepas registradas até o momento. “Ainda se sabe pouco sobre a letalidade da ‘Deltacron’, transmissibilidade ou até fuga às respostas geradas pelas vacinas contra a Covid-10, mas já circula há semanas em diferentes países. Portanto, estamos falando de um fato indiscutível, a grande capacidade de surpreender do novo coronavírus, especialmente quando a maioria quer acreditar que a pandemia acabou”, comentou o especialista.

O pesquisador Jesem alertou para a “fuga da realidade” diante da pandemia e dos perigos da Covid-19. “O fato de termos detectado a ‘Deltacron’ em solo brasileiro era esperado, já que o país, em especial a Região Norte, ironicamente a mais castigada durante a pandemia, já vive um clima de fim do problema, o que configura fuga da realidade que bate à porta do Reino Unido com novos aumentos de casos leves e graves, após a liberação quase total das restrições, bem como com o surpreendente surto de Covid-19 na China”, explicou.

Máscara

Jesem Orellana criticou a desobrigação do uso de máscaras por parte do Governo do Amazonas em ambientes abertos e o relaxamento das medidas de não farmacológicas, e mais uma vez chamou a atenção para a tragédia sanitária ocorrida em Manaus por tomadas de decisões erradas.

“Diante de tamanhas ameaças e incertezas, suspender o uso de máscaras é somente mais um de tantos erros cometidos pelo Governo do Amazonas ou pela Prefeitura de Manaus, protagonistas vexativos nas três severas ondas de adoecimentos e mortes por Covid-19. O Governo Federal, por sua vez, insiste em tentar mudar o status do problema sanitário de epidemia para endemia, mesmo diante dos alertas da comunidade científica e da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que a pandemia ainda não acabou. Reafirmo o que disse em 2020, não teremos mudança favorável na gestão da epidemia no Brasil, enquanto o presidente Bolsonaro estiver no cargo”, avaliou Jesem.

‘Deltacron’

A nova cepa combina características genéticas da Ômicron e da Delta e vem sendo monitorada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde o início do mês, quando os primeiros casos foram identificados na França.

“Nosso serviço de vigilância genômica já identificou dois casos no Brasil. Um no Amapá, outro no Pará”, disse o ministro a jornalistas, ao chegar ao ministério.

Marcelo Queiroga destacou que, em um contexto de pandemia, no qual um vírus se espalha com maior facilidade entre a população, se replicando velozmente, as probabilidades dele sofrer mutações aumentam. Segundo ele, isso demonstra a importância da população se vacinar.

“Esta variante [a Deltacron] é considerada de importância e requer o monitoramento”, acrescentou Queiroga, assegurando que, mesmo com a “desaceleração” do surgimento de novos casos da covid-19 em todo o país, as autoridades sanitárias devem continuar vigilantes.

Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois × quatro =